Odontobase - Planos de Saúde Bucal 2ª via de boleto 2ª via de boleto
CENTRAL DE ATENDIMENTO
(13) 3040-7400
Responsabilidade Social
Competência em Saúde
Entendendo as especialidades
Ortodontia
 
Adicionar aos Favoritos Recomendar Imprmir esta página
 

Perguntas mais freqüentes

Além de procurar o tema por assunto, você também pode encontrar a informação que procura pela freqüência que cada dúvida ocorre. Mais uma maneira para você se sentir bem orientado.



  • Por que o dente dói?

    Toda irritação que atinge o nosso organismo causa uma reação chamada inflamação, que é o acumulo de sangue no local para proteger e/ou concertar a região. Toda região inflamada deve inchar, porém o dente tem paredes duras e não permite que o nervo inche quando está inflamado, o que faz com que ele se comprima e doa.

  • O que é canal?

    É a limpeza dos condutos do dente onde estava o nervo e o fechamento com material próprio. Esta limpeza é importante, pois os restos de nervo, bactérias ou até saliva, se não forem retirados podem irritar a região óssea na ponta da raiz.

  • Por que tem dente que não dá para fazer canal? Tem que extrair?

    O conduto geralmente acompanha o formato da raiz, ou seja, se ela é muito curva ele também será e este é um dos fatores que pode limitar o tratamento. Outro fator ocorre quando o canal é muito fino e não se consegue acessá-lo ou quando existe algum bloqueio de tratamentos anteriores. O canal será extraído quando for fator primordial para recuperação do dente. Caso contrario ele será mantido na boca e acompanhado periodicamente.

  • Porque o rosto incha?

    Os germes dentro do canal irritam o osso na ponta da raiz onde se desenvolve uma bolsa de pus. Esta bolsa de pus, também chamada de lesão, irá evoluir lentamente, porém por vezes nosso organismo perde o controle do problema e ela cresce mais rapidamente. O inchaço é causado pela lesão e pela inflamação que o organismo gera para combatê-la e é acompanhado de dor e resolvido somente quando o pus é drenado (removido).

  • Quando o dente dói com quente e quando dói com gelado?

    Com Gelado: Estágio Inicial de inflamação, o dente ainda pode ser recuperado sem canal. Com Gelado e Quente: Estágio Intermediário de inflamação, ainda existem chances de não necessitar de canal. Só com Quente: Estágio Final de inflamação, o nervo já está quase morto e é quase certa a necessidade de canal.

  • A cárie pode comprometer um dente e causar sua extração e jamais ter apresentado dor?

    Sim! Não são todos os nervos que inflamam e doem. Muitos morrem sem mesmo nunca terem doído. Quando mortos, são causadores de lesões (bolsas de pus) nas pontas das raízes e estas podem crescer sem dor a ponto de comprometer este dente, seus vizinhos e toda a saúde da pessoa. A dor é o nosso alarme e infelizmente não é sempre que ele toca para nos avisar de algum problema. Daí a importância da visita periódica ao dentista.

  • Por que um dente que nunca doeu, quando avaliado pelo dentista dói?

    Muitas vezes o problema já existe, porém a dor (nosso alarme) não surgiu, e ao ser avaliado pelo dentista, este estimula um quadro que estava evoluindo, porém inerte.

  • Após a extração de um dente é necessário fazer bochecho? Com o que?

    Não, não deve ser feito bochecho após extrações, pois isso remove o sangue que está coagulando e tampando o buraco. Deve-se aplicar gelo e ingerir somente alimentos frios para que diminua a chance de sangramento. Quente é totalmente contra indicado. Quente: dilata os vasos e faz sangrar. Frio: comprime os vasos e faz parar de sangrar.

  • Quando o dente morre?

    Quando a cárie ou o tártaro evoluem a ponto de inflamar o nervinho que temos dentro do dente. No início ele dói com frio, depois também com quente, depois só com quente e neste último estágio ele já está tão doente que já não se recupera mais. Ele morre e o dente deixa de doer. Este dente voltará a doer quando os germes resultantes do apodrecimento do nervo morto irritar o osso de suporte e formarem uma bolsa de pus na ponta da raiz que chamamos de lesão.

  • Por que é feito canal em dente de leite?

    O dente de leite, assim como o permanente, tem um nervinho dentro que se não tratado pode gerar uma bolsa de pus na ponta da raiz (lesão), e lesar o dente permanente que ainda não nasceu além da possibilidade de doer muito. Caso o dente de leite seja extraído antes da hora, o espaço tenderá a fechar que junto com outros problemas, levarão a criança a provavelmente ter dentes tortos.

  • O que são condutos? É regra cada dente ter certo número de condutos? O primeiro molar tem quantos condutos?

    Conduto é o local onde está o nervo ao longo de cada raiz. Geralmente existe um conduto por raiz, porém é normal encontrar raízes com 2, 3 ou mais condutos. O primeiro molar inferior tem 2 raízes, porém quase sempre tem pelo menos 3 condutos, já o superior tem 3 raízes e quase sempre 4 condutos.

  • Sentir coçar a gengiva é sinal de gengivite?

    Sim! O acúmulo de tártaro causa várias reações gengivais como coceira, dor, sangramento, etc...

  • Dente mole também é sinal de gengivite?

    Infelizmente não! Dente mole é sinal de periodontite. A evolução do quadro de quem antes tinha gengivite. Este amolecimento se deve em decorrência da perda de tecido ósseo devido ao acúmulo de tártaro sob a gengiva. De acordo com o grau de evolução ainda é possível tratar. Caso contrário os dentes moles devem ser extraídos, preservando o osso de suporte e o controle das bactérias da boca.

  • Como se trata a gengivite e a periodontite?

    Removendo o tártaro através de raspagem dos dentes. De acordo com a evolução do caso, esta raspagem será mais superficial ou mais profunda (especializada). É importante que o portador de peridontite não se considere curado ao final das raspagens, pois o osso irá se formar e a gengiva irá se aderir ao dente novamente somente após um longo período de retornos e controle no dentista. Vale reforçar que pessoas com tendência a tártaro devem raspar constantemente seus dentes, deste modo, não permitindo que qualquer problema evolua.

  • Quando uma criança bate um dente de leite (decíduo) e este fica escuro quer dizer que o dente morreu? Irá afetar o dente permanente?

    O fato de ter ficado escuro indica que o nervinho (polpa) dentro do dente morreu e seus restos (sangue envelhecido, etc...) começam a corar o dente. Se ainda não estiver na época deste dente cair, ele deve ter seu canal tratado afim de ser mantido na boca até o momento certo (mantêm espaço, é guia, fortifica o dente permanente que irá nascer, etc...). Caso este dente continue na boca sem tratar o canal, irá se desenvolver uma bolsinha de pus na ponta de sua raiz (lesão, cisto, etc..). Se esta bolsa evoluir pode atingir o dente permanente e evitar que ele nasça.

  • Qual a importância do dente de leite (decíduo)?

    O dente de leite é importante para a estética e mastigação da criança. Cáries e infecções nestes dentes debilitam a criança e prejudicam bastante o seu desenvolvimento. Estes dentes também são importantes para preservar espaço para os dentes permanentes, funcionando ainda como um guia para o nascimento dos mesmos.

  • Qual a importância dos primeiros molares permanentes?

    Eles estabilizam as arcadas para a troca de todos os dentes, por isso são os primeiros a nascer, aos seis anos de idade. Muitas pessoas os confundem com dentes de leite, uma vez que nenhum dente cai para que eles nasçam.

  • Qual a importância dos caninos (presas)?

    Estes dentes têm a importante função de serem guias de movimento mandibular na lateralidade.

  • É necessário extrair o dente do siso sempre?

    Não, somente quando o siso fica preso dentro do osso ou da gengiva, por ter lhe faltado espaço para nascer ou quando este dente nasceu, porém se encontra em posição ou situação que possa trazer problemas à pessoa. A extração do dente do siso deve ser sempre bem planejada e efetuada por profissional experiente na área. Quando o paciente vai usar aparelho, o ortodontista solicitará a extração no momento que considerar ideal para a intervenção.

  • Existe terceiro molar de leite?

    O terceiro molar é também conhecido como dente do siso e só existe na dentição permanente. Na dentição de leite existem 5 dentes de cada lado, já na permanente são 8 de cada lado, sendo 2 pré molares e o 3º molar a mais.

  • O que é uma extração de via alveolar? E raízes residuais?

    Alvéolo é o nome do osso que segura o dente. Extração por via alveolar é aquela que não necessita de cirurgia, o dente sai normalmente. Raízes residuais são assim chamadas quando resultam de um dente já totalmente destruído, de forma que é necessária a realização de procedimentos específicos para completa remoção.

  • O que causa aftas?

    Podem ser causadas por machucados na boca, problemas de estômago e diminuição da resistência orgânica. Geralmente somem após 1 semana e são bastante doloridas. Para uma recuperação mais rápida é conveniente deixar a boca sempre limpa usando bochechos com soluções antissépticas, podendo passar um pouco do antisséptico puro sobre a afta, com uso de cotonete. Outros procedimentos podem ser usados pelo dentista.

  • É necessário colocar prótese sempre que fizer canal?

    Somente quando a coroa do dente encontra-se muito destruída ou fraca, caso contrário uma simples restauração resolve.

  • Quanto tempo dura uma restauração temporária?

    Como o próprio nome diz, ela dura pouco e deve ser substituída por definitiva tão logo o tratamento se complete.

  • Qual a durabilidade da restauração de resina em dentes posteriores?

    A durabilidade de uma restauração de resina fotopolimerizável (endurecida por luz e confeccionada diretamente no consultório) depende muito da manutenção que ela recebe, pois a força da mastigação e a composição dos alimentos causam desgastes e problemas de adaptação. A limpeza periódica proporciona constante polimento nesta restauração, aumentando muito sua vida útil. Vale lembrar que ao se manter uma restauração por maior tempo, estamos preservando estrutura dos nossos dentes, pois a cada troca, nosso dente é desgastado.

  • Qual a função de cada aparelho ortondôntico?

    O aparelho ortondôntico é indicado para cada caso de movimentação dental. O aparelho fixo é o mais utilizado e vários aparelhos podem constituí-los de acordo com o caso. A exemplo do arco extra-bucal (passa por fora da boca e prende na nuca), que é utilizado apenas em alguns casos e geralmente à noite. O aparelho móvel é utilizado para menores movimentações, para crianças ou como auxiliar do aparelho fixo. O aparelho ortopédico é aquele que trabalha nas bases ósseas, não diretamente nos dentes.

  • Existe prótese total fixa? É colada na gengiva? Como?

    Para que uma prótese seja fixa ela deve se firmar exclusivamente dos dentes remanescentes e estes remanescentes devem possuir suporte e ser em número suficiente para suportar o impacto dos dentes perdidos. Existe uma indicação protética para cada caso. A peça protética para a total ausência de dentes é a prótese total e ela é sempre removível.

  • Por que uma prótese total pode soltar? O que fazer para buscar mais retenção?

    O primeiro motivo é a falta de suporte ósseo ou o formato deste, não favorecendo a retenção. No caso de próteses superiores, é bastante comum soltar quando faltam dentes na arcada inferior e estes não foram substituídos por uma prótese. Na mastigação a peça sofre força como uma alavanca e se solta. No caso de próteses totais inferiores, que normalmente falta osso para retenção, a execução de dois implantes anteriores (overdenture), geralmente resolve bem o problema. As pastas de fixação também são um importante recurso.

  • Qual a diferença de um pivô e um implante?

    O pivô é o nome que se dá ao núcleo (pino que entra no canal e dá suporte a nova coroa do dente) e a coroa juntos. Não se faz mais os dois juntos (pivô), pois este serviço não apresentar boa adaptação. O núcleo e a coroa são utilizados quando a pessoa ainda tem a raiz do dente e esta ainda pode ser aproveitada. O implante é um pino de Titânio colocado cirurgicamente no osso a fim de substituir uma raiz já perdida. Após alguns meses de cicatrização é colocada a coroa (peça semelhante ao núcleo e coroa ou pivô).

  • O que é necessário para colocar um núcleo (pivô)?

    É necessário que ainda exista a raiz do dente e que tenha condição de ser tratada para suportar o núcleo e a coroa. O tratamento inclui canal e talvez outros procedimentos.

  • Jaqueta é prótese? Mas o que é realmente?

    Jaqueta é o nome que se dá a coroa protética confeccionada de um único material (estética). Existem coroa de jaqueta em resina nacional, em resina importada (artglass) e em porcelana. São indicadas de acordo com o caso. Outras coroas: Veneer: metal atrás (resistência) e resina na frente (estética). Metalo Cerâmica: metal por dentro com porcelana por fora. Metal free: material estético altamente resistente por dentro e porcelana por fora.

  • Qual a diferença de durabilidade de uma peça de metal para uma de Art Glass?

    O Art Glass é um tipo de resina com partículas de porcelana (cerômero) desenvolvidas especialmente para restaurar dentes posteriores e possui ótima resistência e estética, porém só pode ser confecciona por técnica indireta (pelo protético em forno de alta temperatura). Além da estética e da melhor fixação ao dente, esta peça absorve melhor que o metal os impactos da mastigação, protegendo o remanescente do dente.

  • Quais os benefícios da peça de porcelana?

    A porcelana além de oferecer excelente estética, onde se reproduzem quase todos os nuances de um dente, possui uma dureza compatível com a do dente natural, apresentando maior resistência ao desgaste e melhor mastigação.

  • Por que o dente quebra com o pão?

    O pão empurra a parte quebrada do dente fazendo com que a mesma se desloque e então neste momento a pessoa perceba que o dente quebrou. Geralmente nestes casos, o dente já estava quebrado, pela força da mordida ou de algum alimento mais duro.

    Existem os casos onde o dente está oco em decorrência de um processo de cárie. Neste caso, a cárie passa pelo esmalte, estrutura externa do dente e muito resistente, e corrói a dentina, estrutura interna, menos resistente na absorção de impactos. A rigidez do esmalte, sem suporte que absorva o impacto, também facilita a fratura do esmalte remanescente quando se morde um pão. O processo é o mesmo do o pão que comprime a estrutura do dente, porém esta ação é mais demorada e progressiva, diferente de uma simples "batida", ocasionando o deslocamento das estruturas.

 

Odontobase Planos de Saúde Bucal
Rua Alexandre Herculano, n° 197 – Sala 2001 – Gonzaga/Santos/CEP 11050-031 - (13) 3040-7400

ANS

Produzido por DELT